segunda-feira, 1 de junho de 2009

Dia dos pequeninos


Pequenina


És pequenina e ris ... A boca breve
É um pequeno idílio cor-de-rosa ...

Haste de lírio frágil e mimosa!

Cofre de beijos feito sonho e neve!

Doce quimera que a nossa alma deve
Ao Céu que assim te faz tão graciosa!
Que nesta vida amarga e tormentosa
Te fez nascer como um perfume leve!

O ver o teu olhar faz bem à gente ...
E cheira e sabe, a nossa boca, a flores
Quando o teu nome diz, suavemente

...
Pequenina que a Mãe de Deus sonhou,
Que ela afaste de ti aquelas dores

Que fizeram de mim isto que sou!

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"

2 comentários:

Diana disse...

Adoro Florbela Espanca, acho que era uma mulher à frente do seu tempo. Esse poema, como todos os outros dela, é lindo!

Beijinhos

Livros e Outras Coisas disse...

Concordo com essa afirmação, Diana: os poemas de Florbela são lindos. :)